Estudo aponta que alergias e asma estão associadas a maior risco de doenças do coração. Saiba mais

Imagem: Reprodução/Google


Adultos com algum transtorno alérgico, incluindo asma, têm maior risco de desenvolver pressão alta (hipertensão) e doenças que afetam a saúde cardíaca, de acordo com pesquisas realizadas com dados americanos. A relação foi observada em pessoas entre 18 e 57 anos.

O que acontece com o coração durante um ataque cardíaco?


Por que o coração não se cansa de bater?


Ainda não publicado, o estudo que liga a história alérgica a problemas cardíacos foi liderado por pesquisadores da Universidade de Pequim, na China. A pesquisa deve ser apresentada na conferência organizada pelo American College of Cardiology (ACC) e pela Sociedade Coreana de Cardiologia (KSC) entre os dias 15 e 16 de abril na Coreia do Sul.


Entenda a relação entre alergias e problemas cardíacos


No estudo, a equipe de cientistas analisou dados da Pesquisa Nacional de Entrevistas em Saúde (NHIS) de 2012. Trata-se de uma pesquisa das autoridades de saúde dos EUA e, a partir dele, foi possível selecionar um grupo de adultos com condições alérgicas. Entre eles estão pacientes com:

  • Asma;
  • Alergia respiratória;
  • Alergia alimentar e digestiva;
  • Alergia à pele.

Foram incluídos 34.400 voluntários, dos quais 10.000 tinham algum tipo de alergia. Os pesquisadores ajustaram diversos fatores que poderiam influenciar os resultados, como idade, sexo, raça, tabagismo, consumo de álcool, índice de massa corporal (IMC) e local de residência.


No geral, a equipe observou que um histórico de doenças alérgicas esteve associado ao aumento do risco de desenvolver pressão alta em pessoas de 18 a 57 anos. Agora, o risco de doença arterial coronariana (CAD) foi maior em pessoas com condições alérgicas entre 39 e 57 anos. Além disso, indivíduos com asma apresentaram mais riscos para ambas as condições.


Apesar das descobertas, o pesquisador Yang Guo, da Universidade de Pequim, explica que são necessários estudos maiores, "com acompanhamento de longo prazo", para confirmar esses achados preliminares. A questão da causalidade ainda não está clara.

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem