Governo Federal lançou RG com numeração única, mais segurança, e validação eletrônica; veja principais mudanças

Imagem: Reprodução/Google

O Governo Federal lançou a carteira de identificação nacional unificada para todo o país. Popularmente conhecido como "novo RG", este certificado utiliza apenas o número do Cadastro de Pessoa Física (CPF) como identificação individual. A emissão da carteira será gratuita, e os institutos de identificação terão até 6 de Março de 2023 para atender a mudança.


Agora, os documentos continuarão a ser emitidos por órgãos estaduais, como as secretarias de segurança pública, mas terão o mesmo formato e padrão de emissões. Após o recebimento da solicitação do cidadão, os órgãos estaduais de registro civil validarão a identificação pela plataforma do governo federal, o Gov.br. Além do documento físico, os cidadãos poderão acessar a nova identidade em formato digital, de acordo com as informações apontadas pela Agência Brasil.


"Aos poucos, não teremos mais um cartão de identificação para cada estado. São 26 estados e o Distrito Federal, cada um com carteira própria. Isso vai acabar. Haverá uma identificação única do cidadão", disse o ministro Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria-Geral da Presidência da República.


Novo RG oferece mais segurança para o cidadão


O novo documento é considerado mais seguro para os cidadãos. Isso porque permitirá a validação eletrônica de sua autenticidade por QR Code, inclusive sem internet.


O ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, lembrou que, como está hoje, os cidadãos poderiam ter até 27 documentos de identidade com diferentes números emitidos pelas unidades da federação, o que facilitou a prática de diversas fraudes e crimes. "Caminhamos para um novo momento de controle, seriedade e tranquilidade da população brasileira", disse.


A partir dessa mudança, se uma pessoa emitir uma nova carteira de identidade nacional em uma unidade diferente da federação, o documento já será uma segunda via, já que será vinculado ao CPF. Caso a pessoa que solicite a identidade ainda não tenha o CPF, o órgão de identificação local registra-o imediatamente, seguindo as regras estabelecidas pela Receita Federal.


Documento terá validade oficial de 10 anos


A partir de agora, o novo ID é válido por dez anos. Serão aceitos documentos atuais de cidadãos com até 60 anos de idade por até dez anos. Para aqueles com mais de 60 anos, o antigo  IDENTIFICADOR continuará sendo válido indefinidamente.


O governo também ressaltou que a nova carteira nacional de identidade se tornará um documento de viagem, por causa da inclusão do código na norma internacional, que pode ser lida por equipamentos. Este é o código MRZ, o mesmo usado em passaportes. 


Foto: Agência Brasil

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem