Ticker

6/recent/ticker-posts

Ibovespa despenca em meio a baixa dos bancos, e mercado retorna ao desempenho incomum.

 


SÃO PAULO -- O Ibovespa voltou a cair nesta sexta-feira (9) após as ações de bancos voltarem a entrar em território negativo. O movimento revisado após subir 2,5% no principal índice da B3 na véspera é combinado com temores financeiros que farão um dia de fraqueza no mercado de ações.


A grande notícia macroeconômica do dia foi um alerta para a S&P sobre o rating de crédito do Brasil. Ontem, a analista-chefe de ratings globais da S&P para o Brasil, Livia Honsel, disse à Folha que a falta de visibilidade a partir do próximo ano pode levar a agência a rever sua trajetória fiscal e começar a assumir que uma situação de dívida mais elevada é mais arriscada no registro.


Para a Bloomberg, os analistas tomaram um tom mais cauteloso ao notar que as agências de rating "não querem tomar decisões precipitadas".


Em meio a alertas, os investidores do S&P ainda aguardam definições que afetem a economia. Um colega de renda cidadã, Márcio Bittar (MDB-AC), disse: "É um ótimo lugar para estar. A esquerda apresenta propostas para depois da eleição, que será realizada em novembro.


Ele, no entanto, acredita em aprovar a mensagem este ano, apesar de pouco tempo, segundo a CNN Brasil.


"Não queremos tomar decisões precipitadas", disse ele em uma entrevista sobre a mudança da probabilidade de classificações do BB de classificações estáveis para negativas ou mesmo de redução. "A pontuação é baixa e ainda reflete bem todos os desafios", disse ele.


Lá fora, as atenções se concentrarão nas negociações entre democratas e republicanos para um pacote de estímulos de trilhões de dólares para a economia dos EUA.


No dia anterior, a presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, tuitou que o democrata e secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, havia conversado por 40 minutos e o secretário teria expressado o desejo do presidente Donald Trump de que um acordo fosse alcançado.


O anúncio vem depois que Pelosi disse que não apoiaria a ajuda às companhias aéreas dos EUA sem um pacote de estímulo mais amplo.


Trump levantou esperanças sobre o pacote de estímulos ontem, dizendo à Fox News que as conversações entre a Casa Branca e o Congresso seriam retomadas. A declaração veio um dia depois de Trump anunciar via Twitter que as negociações seriam suspensas até a eleição de novembro.


Às 15h49 (horário de Brasília), o Ibovespa caía 0,56%, a 97.336 pontos.


Vale lembrar que antes de um feriado prolongado, é comum que os investidores vendam ações com lucro no bolso e não coloquem uma posição no dia em que não poderão trabalhar se houver uma notícia relacionada.


Enquanto isso, o dólar comercial caiu 0,95% a R$5,534 na compra e a R$5,535 na venda. O dólar futuro, com vencimento em novembro, registrou perda de 1,24% a R$5,536.


No mercado futuro do DI para janeiro de 2022, os pontos subjacentes foram 3,21% DI para janeiro de 2023, seis pontos-base a 4,64% DI para janeiro de 2025, queda de oito pontos-base a 6,53% e o DI para janeiro de 2027 registrando variação negativa de nove pontos-base a 7,49%.

Entre os indicadores, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu para 0,64% em setembro em relação a agosto, constatou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esse é o maior resultado em setembro desde 2003 (0,78%).


A estimativa média dos economistas pesquisados pela Bloomberg está à frente de 0,54% nas comparações mensais.

Do lado internacional, a economia do Reino Unido apresentou crescimento de 2,1% em agosto em relação à comparação mensal, abaixo das expectativas de expansão de 4,6%.


Na China, o mercado reabriu após o feriado nacional, com alta de 1,68% no índice de Xangai. O Índice de Serviços de Compras Caixin/Markit ficou em 54,8 em setembro, indicando expansão da atividade local.


Na geopolítica, os Estados Unidos anunciaram sanções a 18 bancos iranianos, em um esforço para reduzir as receitas do governo local, aumentando as tensões políticas em todo o mundo.


Medidas Econômicas

A falta de clareza do governo sobre as medidas econômicas está sendo monitorada pelas autoridades de patentes e arquivos e pode resultar em um rebaixamento do ranking do país.


Ontem, a analista-chefe de ratings globais da S&P para o Brasil, Livia Honsel, disse à Folha que a falta de visibilidade a partir do próximo ano pode levar a agência a rever sua trajetória fiscal e começar a assumir que uma situação de dívida mais elevada é mais arriscada no registro.


Apesar de mais seis meses para uma reavaliação do país, a agência pode verificar a qualquer momento se entende que precisa ajustar as expectativas dos investidores.


O retorno e o ir do anúncio do governo levaram à falta de clareza citada pela agência. O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o estado da catástrofe pública terminou este ano, enquanto membros do governo disseram que poderia ser estendido para 2021.


Outro caso simbólico é o anúncio de que a renda dos cidadãos será apoiada pelos recursos de Hunter e pelo Fundeb, que mais tarde foi rejeitado por Guedes.


Segundo analistas do S&P, a incerteza é outro risco a ser praticado com o Brasil, aliado a fatores como a já elevada dívida versus PIB, a perspectiva de baixo crescimento no médio prazo e atrasos na agenda de reformas.


Em meio a alertas, os investidores do S&P ainda aguardam definições que afetem a economia. Um colega de renda cidadã, Márcio Bittar, membro da Coalizão Nacional de Renda Popular, disse: "Esta é a primeira vez que estamos no A esquerda apresenta propostas para depois da eleição, que será realizada em novembro. Ele, no entanto, acredita em aprovar a mensagem este ano, apesar de pouco tempo, segundo a CNN Brasil.


Bittar disse ontem que, independentemente da fonte de recursos, a renda dos cidadãos vai gerar alguma oposição.


A reforma tributária não deve ser votada nem na Câmara dos Deputados nem no Senado este ano. Presidente da Comissão Mista dedicada ao tema, o senador Roberto Rocha (PSDB-MA) disse a Waller que buscaria estender o trabalho do colegiado até 10 de dezembro, tentando até que tenha que ir para lá, pelo menos, sobre propostas que poderiam ser votadas pela comissão. O encontro será realizado apenas 12 dias após essa data, em 2020, até 22 de dezembro.


O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que a prioridade, agora, era votar a PEC emergencial, que criou o mecanismo de ajuste orçamentário.


O ministro da Economia, deputado, participou da proposta de agenda legislativa da Frente de Reforma da Governança, segundo a Folha.


Ministério da Economia

O mercado também acompanha as discussões sobre possíveis baixas de parte do Ministério da Economia.


As mudanças incluirão a separação do secretário-geral da Previdência Social e do Trabalho da pasta e a reconstrução do Ministério do Desenvolvimento Industrial e Comércio Exterior a ser entregue ao Centrão, segundo o Estadão, devido ao custo da aliança política do presidente Jair Bolsonaro.


Ontem à noite, Bolsonaro negou que houvesse planos para criar uma pasta de trabalhadores e indústria, e disse que eram "fake news" para usar ao ministro da Economia, Paulo Guedes.


O ministro também negou que tenha havido conversas sobre o assunto segundo o jornal, apesar da ameaça de Paulo Guedes perder o status de super, com assessores com o presidente dizendo que ele ainda tem apoio do governo.


Apesar das negativas, aliados e assessores disseram que Bolsonaro planejou reformas ministeriais após as eleições municipais deste ano, segundo a Folha de São Paulo. O objetivo é abrir mais espaço para que o partido tenha apoio de segurança para o presidente.


Também ontem, o presidente determinou que, a partir de agora, cada ministro fale apenas sobre temas diretamente relacionados ao seu trabalho. Foi um gesto de apoio ao Ministro Paul M.


Com a decisão, segundo a Folha, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, não poderá se pronunciar sobre a formulação de programas sociais, em consonância com o teto de gastos ou outras ações ligadas ao Ministério da Economia.


Radar Corporativo

Em notícias da empresa, o conselho da Localiza aprovou a união com as Nações Unidas e convocou uma Assembleia Geral Extraordinária (EIF) em 12 de novembro para a intenção da fusão de ações. Além disso, a Minerva encerrou as negociações para a possível combinação de negócios da subsidiária Athena Foods com a empresa para uma aquisição de nicho, listada na Nasdaq.


Hoje, o mercado responderá às prévias operacionais do terceiro trimestre divulgadas pela Even, MRV, Direcional e Helbor.


.